domingo, 11 de setembro de 2011

sonhei por dois que não quiz sonhar comigo,hoje não sonho mais nem sei o que é isso so tenho em meu coração o sofrimento...
Aqui fica o sonho de uma vida,sonhada sozinha sou o exemplo cruel da destruição causada por ser sozinha mesmo quando se vive rodeada de pessoas.

11/

Hoje seria uma data de comemoração,mas estou triste, profundamente triste a tempos que não consigo me sentir completamente realizada este ano foi de brigas, descobertas inesperadas,não me reconheço mais não sei quem eu sou pra que vivo o sofrimento e as disilusões tomaram conta da minha vida coisas que eu não imaginava acontecer esta acontecendo entaum porque eu continuo aceitando estas coisas? o sofriemento  de ser  traida  é devastador não desejo a ninguém e muito menos aconselho que façam eu espero do fundo do meu coração poder superar estes momentos de loucuras que vive minha mente queria eu que fossem apenas  loucuras mas são verdades isto sim mata, estou destruida como pessoa, como mulher  como ser humano não vejo mais alegrias nem nas coisas mais simples tudo pra mim e conspiração doi,doi doi, meu desejo é morrer porque acho que ja sofri demais as pessoas sempre me desapontando me destruindo quero morrer e poder descobrir a verdade descobrir que eu estava enganada que era apenas uma ilusão ter o prazer de ouvir cada palavra cada gesto para ficar em paz e dizer realmente não valia a pena realmente foste uma besta idiota a continuar acreditar nisso que sentes...........

sexta-feira, 2 de setembro de 2011

Reportagem caras

Numa relação, há lugar para muitas diferenças. Os parceiros podem gostar de filmes de gêneros opostos, divergir sobre ter ou não um filho, adotar religiões e times de futebol diferentes. Quando se ama, tudo isso pode ser contornado, discutido, negociado e tolerado. Apenas uma atitude não admite negociação: a mentira - e a traição, em geral associada a ela. Nenhuma união sobrevive a essa dupla. Capazes de destruir a confiança e o amor, a mentira e a traição são as causas mais comuns de separações. O compositor carioca Noel Rosa (1910-1937) escreveu com seu parceiro Vadico (1910-1962) uma bela canção sobre o assunto. Diz o seguinte: "Pra que mentir/ Se tu ainda não tens/ Esse dom, de saber iludir/ Pra que, pra que mentir/ Se não há necessidade de me trair". Faz sentido a dúvida do poeta. Por que mentimos? Às vezes é para nos valorizar. Mentimos sobre nossa idade, nossas realizações, o dinheiro que possuímos, a profissão que exercemos. Ou mentimos para preservar nossa liberdade. Vamos a um lugar e não contamos, compramos algo e escondemos. Mas não adianta querer minimizar as coisas: omitir é o mesmo que mentir. E quem mente por pequenas coisas vai mentir também sobre as grandes, correndo o risco de destruir um amor ou marcá-lo com feridas profundas que aos poucos vão acabando com o desejo e a confiança. A lealdade é fundamental para uma pessoa se entregar a outra de corpo e alma. Trair é quebrar o pacto do amor. Não esperamos nem perdoamos a mentira de quem diz que nos ama. Se pegamos nosso amor numa mentira, seja ela qual for, a confiança é abalada e abre-se espaço para o ciúme. Esse terrível sentimento envenena a relação e, onde antes havia entrega e espontaneidade, passa a haver desconfiança e insegurança. Depois de sermos enganados uma primeira vez, qualquer falha, qualquer mudança no comportamento do outro desperta nossa dúvida e nosso medo. O alerta fica ligado. Se há amor, quem mentiu e não pretende repeti-lo precisa ter sensibilidade para deixar claras as suas intenções e assim tentar recuperar a credibilidade junto ao parceiro, embora não seja uma tarefa fácil. Em geral, infelizmente, a desconfiança é legítima. Uma detetive profissional, entrevistada recentemente em um canal de TV, disse que, quando uma pessoa contrata alguém para seguir o parceiro supostamente mentiroso ou traidor, em cerca de 90% das vezes constata que tinha razão. Qualquer mentira abala uma relação. Mas a mais destruidora é a que envolve ligação amorosa ou sexual com outra pessoa. Quando isso ocorre, o mais provável é que se instale uma crise violenta, longa, e a relação acabe. Existe até quem perdoe, mas todos demoram para esquecer e superar a mágoa. O ciúme não tem lógica nem razão, é quase animalesco. Quando há a suspeita de uma traição, o ciumento fica obsessivo e procura desesperadamente a "prova do crime". A pessoa antes calma e cordata, compreensiva e digna se transforma numa fera, capaz muitas vezes até de matar. Quando se pergunta a homens e mulheres sobre o que é importante para uma relação dar certo, a maioria diz: fidelidade, lealdade, confiança e carinho. Por outro lado, são considerados inaceitáveis a agressividade, a mentira e a traição. Para o casal que deseja viver feliz, recomendo: abram o coração e falem sempre a verdade, mesmo que isso mostre que vocês não são tão bacanas, ricos ou jovens como gostariam, mas confirmem que são honestos, confiáveis e leais.É isso que conta num amor verdadeiro.
Por leniza castello branco